Salve, salve...


Na janela vejo seres os quais não consigo identificar se são racionais ou irracionais. Vejo a fome, vejo o desespero e a ingratidão, olho o mundo através da janela para buscar inspiração e me deparo com a corrupção, com a falsidade, com o medo.
Que país é esse que as pessoas fingem de miserabilidade para ganhar dinheiro fácil? Que país é esse que se elege políticos que compram votos? Uma terra adorada por ratos nojentos, que fingem ser um povo heróico, onde só prevalece o poder, o status, a etiqueta!
Ó Pátria amada, idolatrada, salve... Salve aqueles que precisam de um céu risonho e límpido para ter o pão de cada dia, salve aqueles que são vizinhos dos caranguejos e, sem abusa da sua grandeza, salve aqueles que todos os dias se alimentam das sobras dos outros. Salve os teus filhos deste solo, mão gentil, aqueles que já nascem em uma realidade pronta, onde o sol da liberdade só é visto depois de algumas substâncias químicas.
Na minha terra adorada um sonho intenso, um raio vívido, é ganhar na mega sena, é ser milionário sem muito esforço e mostrar aos demais o que tem.
Ó Pátria amada, idolatrada, salve... Salve a tua educação. Se o dinheiro da população fosse usado para formar uma boa educação pública não existiriam tantos estupradores, bandidos e assassinos gigantes pela própria natureza, deitados eternamente no berço esplêndido da liberdade. A justiça realmente não é a tua clava forte...
Muitos dos teus filhos, Brasil, não possuem o amor eterno como símbolo de família. Abre os teus olhos e verás que muitos filhos teus fogem da luta do cotidiano, eles temem a rotina e muitos adotam a própria morte.
Não estou reclamando, eu entendo minha terra adorada, que o teu presente é resultado do teu passado conturbado e o teu lindo futuro espelha essa grandeza, entre outras mil, sempre serás tu Brasil, a minha Pátria amada!

Palavras




Suas palavras são como os sonhos não sonhados
Como o beijo, não beijado
Como a vida, não vivida
Como aquela lágrima que não suavizou a alma 
no momento que foi machucada...

Suas palavras são como as folhas do outono
Que queriam tanto ter um dono, 
Mas não sabem o caminho da sua vida

O silêncio é uma forma de palavra
É o coração falando à alma
É o olhar sentindo as palavras 
Como o silêncio de uma noite estrelada

Me ama que farei das tuas palavras 
A razão de viver de uma alma magoada
Renascendo das cinzas a essência de um ser
Onde o mundo se torna justo,
Onde tuas palavras aumenta o desejo de viver de um pobre moribundo.

Amanda Cavalcanti 12/11/2007