Meu amor pelo Chaplin


Quando eu era criança, bem pequena mesmo, andava pela casa da minha vizinha com a cabeça baixa toda vez que passava por um quadro que tinha a foto de um homem estranho com um bigode, um chapéu e uma bengala que me assustavam, tinha muito medo mesmo. Fui crescendo e o quadro se tornou insignificante para mim. Um belo dia, desses que ficamos procurando textos na internet, achei um texto lindo que me emocionou muito e que no final tinha o nome de Charles Chaplin como autor, ai pensei: como fui capaz de ter tanto medo de um ser que escreve desse jeito? A partir daí comecei a pesquisar a sua biografia e a ver seus filmes, não foi amor à primeira vista, mas foi amor!

Como não se encantar com uma pessoa que, apesar de ter uma infância tão sofrida, de começar a trabalhar ainda criança e de ter a mãe internada em um hospício, possui um brilho tão verdadeiro nos olhos? Como não achar linda a forma que ele começou a fazer mímica e a dizer tanto com o silêncio, ele diz MUITO com aquele silêncio...

Como não se emocionar com suas obras de arte em preto e branco The Kid, Luzes da Cidade e com o seu discurso PERFEITO de O Grande Ditador? IM-POS-SÍ-VEL não amar!

No final de tudo, o texto que fez eu me encantar com Chaplin não era dele. Fiquei sabendo disso porque ele foi recitado no programa do Faustão e foi dito que era de autoria do Chaplin, no outro domingo Faustão corrigiu dizendo que o verdadeiro autor entrou em contato para dizer que que não era de Chaplin, e sim, dele! Porém, depois de tudo que aprendi com meu querido "eterno vagabundo errante" o texto foi o de menos e ainda bem que eu o li! rsrsrs.

Parte do discurso que Chaplin fez em O Grande Ditador:
O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos. A cobiça envenenou a alma dos homens... levantou no mundo as muralhas do ódio... e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios. Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.


Chaplin morreu no dia 25 de dezembro de 1977 enquanto dormia, deixou uma grande saudade e um sorriso eterno em muitas pessoas!

3 comentários:

  1. nosso eterno vagabundo errante e quantas palavras só ele teve coragem de dizer na quele silencio!!!

    Smile...( e quantos aprenderam a sorrir com ele)

    ResponderExcluir
  2. Tbm sou encantada por ele..
    Marcou época!

    Beijinhos :*

    Boa Semaninha ")

    ResponderExcluir
  3. Esse filme é muito lindo! Adoro Charles Chaplin *.*
    A melhor parte do discurso pra mim é a última, é tão fofa ^^

    "Hannah, estás me ouvindo? Onde te encontrares, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo – um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!"

    ResponderExcluir