Feliz dias novos! :)

Eu escreveria uma prosa ou uma poesia sobre o amor, escreveria também sobre os sentimentos que florescem nesta época de fim de ano, das lembranças, desejos, sorrisos... Falaria principalmente dos motivos que eu tenho para ser feliz e ter forças para seguir com o meu trajeto no mundo; das palavras lindas da minha amiga Natália Pinto que acabei de 'escutar' e das fotos que ela mandou relembrando a verdade da nossa amizade. São tantas coisas que querem ser ditas, mas não há como, existem sentimentos impossíveis de serem expostos por meio das palavras, só nos restam pistas sobre eles, só o rastro deixado pela sua passagem ou estadia.

O que acontece é que de uns tempos pra cá eu venho tentando abrir mão de rancores, mágoas e até julgamentos. Percebi que o rancor só fere quem o sente e que não faz sentido algum se martirizar por algo que já passou. Passou! Aprendi que quando muitos vão embora da sua vida o que permanece é a qualidade e, sinceramente, isso é muito mais importante. Também aprendi a saber lidar melhor com as minhas extremidades, becos e labirintos, todos me levam ao mesmo lugar: autoconhecimento.

Acredito que uma das coisas mais importantes que me dei conta é que a maioria dos nossos problemas são resolvidos quando respeitamos os nossos limites. Problemas existem e sempre vão existir novos quando alguns forem resolvidos - a verdade é que o ser humano só vive se for no conflito -, ou seja, ter uma postura grossa, estar sempre de mal-humor e reclamando de tudo não vai mudar nada, ao contrário, vai piorar! Cala essa boca e busca ver o lado bom das coisas.

Só queria dizer que fim de ano pra mim significa ter meus irmãos reunidos, significa me irritar com a cara feia do meu pai, me lembrar da árvore de natal que eu ganhei em 2011 e que significou muito, lembrar do meu avô ao escutar e ver da janela os fogos que a padaria toda vez solta às 18 horas do dia 31... 
Diante de tanto sentimento, a diferença em relação a esse ano é que o meu desejo - não só para o ano que vem, mas para todos os dias - é ter força de vontade para correr atrás do que eu desejo. E é por esse motivo que desejo feliz ano novo sempre, para que essa energia e vontade de melhorar não seja reduzida a um dia do calendário. 






Enfim, 
feliz ano novo todos os dias.
Que consigamos sempre amanhecer brilhando mais forte!
Que semeemos o amor, pois a demanda do mundo é amar...

"Acorda coragem em si,
acolhe a verdade
acorde a saudade e SE ALCANÇA...
Além!"










Os velhos olhos vermelhos

Eu sou apaixonada por um olhar verdadeiro, um olhar nu, sem medo de mostrar o que é. Sou do tipo de pessoa que se encanta com o olhar a primeira vista; sou capaz de não gostar de uma pessoa por causa do olhar dela ou admirá-la de longe por causa do par de vida que ela possui. Eu acredito na verdade de um olhar, eles nunca mentem ou quando o fazem se mostram neutros, as vezes. Quando a boca para de falar e a voz cessa, ele continua falando, seus argumentos desarmam nossa simples vontade de ter a razão da situação. O olhar continua lutando quando a nossa força acaba, mesmo que seja só para pedir ajuda.

"Eu gostaria de lhe agradecer 
pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou. 
Pela sua capacidade de me olhar devagar, 
já que nessa vida muita gente já me olhou depressa demais."
Padre Fábio de Melo

Uma coleção de olhares.















Obs: Fiz uma página no blog (http://cativameee.blogspot.com.br/p/olhares.html) em que ficarei colocando os olhares que cruzarem comigo.

OBS²: As fotos são da internet (páginas do facebook, blogs, etc).

Hoje é dia de Catarina

Intervenção Externa
Eu pego a sua dor e junto com a minha. Perto elas parecem tão leves e fáceis, tão mínimas. 

Eu pego o teu cansaço e junto ao meu. E quando estamos nesse encontro em que canto o cansaço se escondeu?

Eu pego a fragilidade do teu sorriso e junto com a vontade de cessar meu choro e nessa via de mão dupla eu te trago um encanto, tu enxugas meu pranto e, juntos, nós somos.



   
Catarina e Sofia! =o)



Eu te dou o meu olhar e você é livre para escolher se a mim algo quer direcionar, mas não se pressione, o meu nariz não almeja teu riso, quero mesmo é contigo criar vínculos.

Nesse encontro eu aprendo que as coisas simples não duram um momento, subo minha energia para encontrar com o teu vento e o hoje se constitui como o melhor dia do resto das nossas vidas. Vem com a alma, grande amigo, que eu te devo a minha calma.



 
Melhores companheiros do mundo!







Uma conversa sobre essência

Emanar amor. Exaltar a vida. O Teatro Mágico é a coisa mais viva que eu conheço mesmo. Aninha publicou um vídeo no facebook que me fez refletir a tarde toda sobre o que essa "banda" significa pra mim, O TM é mais do que uma banda ou uma trupe, é filosofia de vida! É essência e muito mais.

O TM faz eu sentir o mesmo que o Palhaço Terapia está fazendo nesses últimos meses, bom pra mim que tenho duas coisas que fazem eu me sentir viva, completa e incrível; coisas que se constituem pra mim como um oásis. O show do dia 23 foi maravilhoso, o melhor de todos na minha opinião, eu me senti fora do meu corpo. Pra ser mágico não precisou do Cidadão de Papelão nem de Toicinho, não precisou ter alguém cuspindo fogo, nem de um monstro, não precisou de Gabi e muito menos do Rober. Pra ser mágico não importa o preço da blusa da banda, não importa se a banda está entrando na mídia ou se antes iriam ser só três álbuns e agora, visto que "está famosa", já está indo para o 5°! O Teatro Mágico é mais que isso. O que verdadeiramente importa, pra mim, é a POESIA, é a forma de Anitelli cantar e da banda acompanhar com a alma, são as letras que conversam comigo e relatam meus labirintos e desejos mais profundos. Não me sinto sozinha ao ouvir essas orações... A magia pra mim só acabará quando não houver mais brilho nos olhos dos integrantes, quando o meu brilho dissipar.

No começo da trupe, quando Anitelli tinha como proposta só três álbuns, ele disse que a banda iria amadurecer com o passar do tempo; disse que iria se tornar mais crítica e isso pode ser visto no 3° CD A Sociedade do Espetáculo. Amadurecer e ser crítico não significa perder a arte e a magia. Há essência no amadurecimento e a banda pra mim continua LINDA do mesmo jeito, sabe?! Enfim, estou falando coisas partidas porque é o que está vindo em mente, é porque eu não entendo quando falam que a banda não é mais a mesma, claro que não é gente, a gente está sempre em constante mudança, somos afetados pelo mundo e o afetamos, isso é o ciclo da vida. 

Parece-me que muitos brilhos no olhar são perdidos pela nossa mania de nos prender a características do passado. Um crime.

O Teatro Mágico significa liberdade, no show ou no meu quarto cantando aquelas orações (músicas) eu me sinto livre pra gritar, chorar, fazer caretas e deixar-me ser desengonçada. Deixar-me ser! Quando eu escuto Sina Nossa minha vontade é de sair nas ruas dizendo que a sina dos seres humanos é se ensinar, uns aos outros; dizer por ai que a demanda do mundo é amar. Que coisa mais linda pra se dizer. O Teatro Mágico é a coisa mais linda que eu já vi, é a poesia na sua concretude, é o amor tangível. Dinheiro nenhum paga isso.








Depende

A única certeza que eu tenho sobre o mundo não é em relação à morte, é relacionada à relatividade das coisas que constituem o mundo. Tudo é relativo: feio, bonito, caro, barato, bom, ruim, gostoso, fino, etc; tudo depende do olhar da pessoa, das experiências e bagagens que cada um de nós trazemos ao darmos nossa humilde opinião sobre algo. A forma que olhamos (olhar no sentido de entrega) é o que define nosso grau de alegria, tristeza ou frustração quando algo acontece; a forma que olhamos define quem somos e como será a nossa reação frente as surpresas do mundo. 

Toda essa ladainha é pra falar sobre um texto que eu li de Gabito Nunes em que ele "define" o AMOR e, diante de toda a relatividade do assunto, essa definição me representou. Pra mim o amor é a coisa mais difícil de aceitar que seja algo relativo, pois seria tão mais fácil uma única definição para todos os seres humanos, tanta gente ia deixar de sofrer e de se doar ao saber que aquilo ali que ela sente não é amor, mas sim frescura. Seria lindo. Mas. Não. É. Assim (igual ao John Green em A culpa é das Estrelas quando quer deixar algo bem claro).

Eu sou o tipo de pessoa que divide a paixão do amor, mas que acredita que os dois podem caminhar juntos. Sou do tipo que acredita que o amor é algo que se constrói à medida que as almas vão trocando energia (defeitos, qualidades, sonhos, manias, loucuras, frescuras) e que, se constrói, desconstrói (isso é algo que eu me obrigo a acreditar), mas o que foi amor antes continuará sendo amor, nada de dizer que foi ilusão ou fraqueza. Isso. É. Ridículo. É ridículo desvalorizar tudo que se foi vivido um dia, é ridículo tirar o crédito da pessoa que te ajudou a crescer e estava contigo nos momentos difíceis só por orgulho ou capricho; a gente faz tanta merda para manter uma imagem que só existe no espelho... ah seres humanos, tão bobinhos.

Seres humanos deixam cicatrizes. Isso é um fato.
Você verá a cicatriz dependendo do ângulo que estiver. Dependendo do seu olhar.
E da sua forma de relativizar. Então, há salvação (uhuuul). 

“Amor não é paixão. Fazer sexo não é fazer amor. Ódio não é amor. Amor não é fogo, não é chama, não é amizade, não é casamento, nem compromisso. Amor não é namorar, não é chorar, não é beijar, não é desejar, não é saudade. Amar não é estar-se preso por vontade. Não é servir quem vence o vencedor. Amor não vai. Amor é o que fica. Amor é resto. Amor é o que sobra do que foi supracitado. Amor não é onda, é o mar. É o companheiro que não abandona depois que todas as fervorosas sensações se foram. Paixão, ódio, saudade, sexo, casamento, desejo são como trens. Amor é estação.”  (Gabito Nunes)



São duas horas discutindo sobre um amor do qual não quero mais fazer parte. Suas palavras, mesmo em alto e bom português, parecem não mais falar minha língua. Eu poderia muito bem gritar igualmente, se você não estivesse tão cega. Tenho um segredo pra lhe contar: seus heróis também tem defeitos, todos eles escondidos atrás do sorriso no comercial de tv a cabo. O ferimento em si nem dói tanto quanto ver sua intenção em me ferir. Palavras tão pequenas de quem parece não ter mais nada a perder, somente um fadário de coisas a dizer, sempre antes de pensar. Percebo que não importa mais onde eu esteja, preso num quartinho sem ideias ou caminhando livre na chuva, já não adianta sonhar, se em todo amanhecer preciso olhar no espelho e dizer para mim mesmo que aqui é o lugar. Todos os seus gritos me deixam com a impressão de que estou sempre atrasado, ou pior, que já estive por aqui por tempo demais. Fico rouco diante de perdões formais, que dirá quando a solidão se manifesta tão necessária. A partir de hoje, só o que for muito, muito leve, bonito e fácil. A grande maioria desiste. Eu, só estou abrindo mão. Concordo contigo, também aconteceu comigo: o meu coração partiu. Para outro lugar.
- Gabito Nunes

Setembro...

"Eu vou chorar..."

É o que eu penso só em pensar no que quero escrever. É complicado. Envolve saudade.
O que acontece é que tua ausência continua muito presente. Posso até tocá-la e sentir seu aroma.
Vai fazer dois anos que não estás aqui em corpo, mas parece que você nunca foi embora (e as lágrimas começam a brotar), sei lá, acho que quem perde familiares próximos sublima isso de uma forma que parece que a pessoa simplesmente foi viajar, se fossemos capazes de "cair em si" que aquele corpo nunca mais vai estar ali, acredito que derreteríamos...

Aquele corpo...
O corpo que muitas vezes cuidou das minhas feridas quando eu era uma criança destrambelhada, colocou remédio naquele "dodói" do joelho e fez curativo no dedo da unha que foi arrancada em uma tentativa de jogar futebol com as primas;

O corpo que muitas vezes era visto embriagado e quando eu perguntava onde tu estavas, eu escutava: "norte, sul, leste, oeste..." Eu também ia buscar esse mesmo corpo nos bares da vida (daria tudo para ir te buscar hoje lá).

Lembro do teu corpo vendo a televisão e xingando todos os atores, apresentadores e jornalistas, ninguém prestava. Corpo que eu ia chamar no quarto toda vez que começava o futebol depois da novela das 21:00 e que era companheiro do meu corpo nos jogos do náutico, santa ou Brasil. Era maravilhoso torcer contigo mesmo você calado e eu fazendo escândalo (que saudade).

E o teu corpo me trazia coca-cola, me trazia apito do galo da madrugada no carnaval, me trazia zelo. Teu corpo, mesmo não demonstrando muito, me amava e depois de algumas doses me fazia até discursos e nós cantávamos e nós dançávamos e eu me lembro do dia em que li o primeiro capítulo d'O Pequeno Príncipe para você. Os copos em que repousavam tuas doses ainda estão na estante...

É tão bom saber que o senhor sempre se orgulhou de mim, é tão bom lembrar do seu corpo saindo da mesa do almoço para me dar os parabéns quando eu voltei do listão da UFPE chorando por meu nome estar lá.

E nesse corpo já não habita tua alma. Esse corpo eu vi inerte, esse corpo eu vi sendo escondido. Você foi embora tão cedo e a última palavra que eu ouvi da sua boca foi "amém"...

Como eu queria poder te falar tudo do palhaço-terapia, queria vestir minha roupa e poder te encontrar...
Ontem foi a formatura de uma amiga e vi várias pessoas entrando com os pais, eles todos orgulhosos, eu entraria com você e mainha...
Como eu queria receber tuas ligações quando eu não estou em casa para falar sobre o péssimo jogo do Brasil, como eu queria te escutar me mandando comer.

Eu te amo vô!

Conversa de botas batidas.

"Você está perdendo a poesia..."

Foi essa frase que estava na minha cabeça hoje, frase dita há tantos anos, depois de tantos atos que eram nossa poesia pessoal. Pois é, a verdade é que eu não entendo muita coisa que aconteceu, não sei dizer o que era em ti verdade e o que era só imaginação; não sei se o que dizias era o que sentias ou se tudo não passava de uma mera obrigação que você mesmo colocou nesse sentimento, que era nosso! O que eu sei de verdade é que tudo que era direcionado a mim hoje é direcionado, do mesmo jeito, para outra pessoa, acredite, são as mesmas palavras de carinho, são os mesmos apelidos, talvez seja até a mesma intenção, e há a mesma frase "talvez o antes não fosse amor". O que é amor afinal? Aquilo que se sente quando se quer (ativando um botãozinho que fica quatro dedos abaixo do umbigo) excluindo tudo que já tenha sido "amor"? É algo que se constrói a medida que se vai conhecendo o outro ou é algo tão estranho que se torna perda de tempo tanta-lo entender?

Eu realmente só posso falar do que é o amor para mim, nas minhas regras eu te amei e ainda hoje é difícil imaginar sentir esse tipo de amor por alguma outra pessoa. Acredito também eu nem queira amar de novo assim, porque quando esse tipo de amor vai embora é complicado e talvez, por respeito a tudo que se viveu, não preciso viver algo na mesma intensidade, pode ser algo mais leve... Sim, eu me permito amar novamente e acredito que isso é possível, pois nas minhas regras amor é algo construível, só não sei ainda como demolir, mas isso também é algo que se aprende...

Hoje o meu olhar me disse que o seu não havia morrido e isso foi estranho, estranho porque é totalmente o contrário daquilo que tu pregas, estranho porque mesmo longe eu podia ler alguns dos seus pensamentos, estranho porque parecia que nada de ruim tinha nos acontecido e parecia tão simples recomeçar. Só parecia.

A poesia nunca é perdida, pensei.
Só é difícil escrevê-la na forma culta da língua portuguesa.
Só é difícil achar a rima perfeita.
Só é difícil parar para tentar entender o mínimo que ela pretende dizer.

Ai eu pensei na quantidade de poesias que não foram escritas por falta de dedicação e entrega, pensei na quantidade de sorrisos e admiração que elas poderiam despertar nas pessoas caso tivessem a mínima chance de vir a existir.

Não faltavam canetas, pensei.

"É só questão de ser..."

Se descobrires a tua verdade, siga-a;
Não adianta se esconder, não vale a pela viver mentiras, viver pela metade
é viver sempre no 'mais ou menos' ou no 'tanto faz', mas viver a verdade é emocionante, em alguns momentos essa verdade pode vir com a dor e com as lágrimas, porém, sendo elas de verdade, terá um motivo, terá uma razão para ter passado pelo seu caminho, tratá ensinamentos que você precisa para continuar essa caminhada de autoconhecimento.

Tua verdade pode ser a coisa mais simples, mas sendo a simplicidade de verdade cativará e encontrará outras verdades pela doce e turbulenta caminhada da tua alma. Agarre essa verdade, não a deixe fugir dos medos e erros e becos de si, não a esconda nos labirintos do 'socialmente aceito', pois se a verdade traduz quem você é, acredite, vale a pena ser, vale a pena te ser, seja!

Junto com a verdade da sua existência virão os melhores sorrisos, os melhores encontros, as melhores discussões e brigas, virão as melhores lágrimas e os melhores aprendizados, terás razões para acreditar na vida e outras para desistir totalmente dela. Pode ser um processo conturbado, mas acredite, é melhor do que viver uma 'quase' vida, é melhor do que viver no 'mais ou menos' e no 'tanto faz'; a verdade da tua vida te tratá argumentos de verdade e te fará protagonista junto com todas as outras pessoas-verdades que encontrarás.

Viver para dentro que isso transborda!
Deixe-se transbordar. Deixe-se ser.

"Me faça um gesto, me faça PERTO..."

O melhor dia da tua vida será aquele em que você vai deixar ele pegar na tua mão pra te conduzir;
O melhor sorriso será aquele mais simples, da coisa mais leve;
O melhor motivo vai ser se trouxer felicidade
e será felicidade de for de verdade;
O melhor olhar será o de encontro e a melhor jogada será a nossa;
O melhor copo será o preenchido pela jarra que transborda e o melhor lugar será o vazio, porque ele te surpreenderá;
A melhor história será contada pelos melhores companheiros do mundo e você não precisará de palavras para entende-la;
Entendimento será questão de entrega, de corpo, de energia;
O melhor suor será aquele que te fará se sentir viva, que te fará se sentir, que te fará
e serás se deixares errar, porque o erro faz parte, faz PERTO, de quem és e de quem poderás vir a ser;
Ser será questão de toque, de entrega, de corpo, de energia, de olhar; de encontros comigo, contigo, conosco e se te permitires se jogar no vazio, no desconhecido, te garanto que a vida vai fazer mais sentido!

Viva para dentro que isso transborda
e adormeça seu medo, isso revigora.


(dedicado aos melhores companheiros do mundo)

Quem é você?

Mas me diga, quem é você?
Quem é você por trás das expectativas dos seus pais?
Quem é você sem leis e regras sociais?
Quem é você sem o que a tua religião diz pra ser?
Quem é você sem o discurso da tua profissão ou curso?
Onde posso te encontrar se a coisa que você mais gosta acabar?
Onde eu posso te encontrar se os teus sonhos forem frágeis?
Você ainda existirá se eu não te reconhecer ou você precisa de um espelho
para poder ser?
Mas quem é você sem ter tudo que tem?
Você seria o mesmo se agisse de acordo om o seu pensamento?
Você seria o mesmo se eu dissesse tudo que penso?
Quem é você sem medos sem quedas sem traumas?
Quem seria você se não fosse a saudade?
Quem seria você sem a bondade?
Você seria? Seria você?
Quem é você sem sua história?
Você sempre foi o mesmo?

Com essas perguntas quero dizer que o 'ser' é líquido, ele pode mudar, pode endurecer ou evaporar, tudo depende de onde você o coloca. Isso significa que não precisamos gastar tantas energias com coisas que podem não existir no outro dia, significa que todo dia é dia de tentar de novo e acreditar de novo ou esquecer de vez! Enfim, "viva a vida mais leve, não deixe que ela escorregue que te cause mais dor"...

“Arranca metade do meu corpo, do meu coração, dos meus sonhos.
Tira um pedaço de mim, qualquer coisa que me desfaça.
Me recria, porque eu não suporto mais pertencer a tudo,
mas não caber em lugar algum.”
José Saramago


...

Foi amor.
Deu calor.
Deu tremor.
Fizeram-se planos.

Foi engano.
Foi rasgando...
Foi quebrando...
E morreu.


Quando um filme te ensina...


As pessoas tem muito medo de pensar que as coisas podem mudar. O mundo não é só feito de merda, mas é difícil para quem se acostumou com as coisas como elas são. Mesmo que sejam coisas ruins é difícil mudar, então as pessoas desistem e quando isso acontece todo mundo sai perdendo..."

Essa frase é de um filme que acabei de ver e que me fez chorar muito: a corrente do bem. Esse filme aborda a certeza de um menino de que ele pode mudar o mundo com gentilezas, pequenos gestos, com os conhecidos ou desconhecidos (nao vou falar muito que odeio spoiler). Enfim, é um filme que merece ser visto.

E ele me fez pensar em como é difícil mudar, como é difícil sair da nossa zona de conforto, onde tudo é tao lindamente planejado que ao acordarmos só precisamos reproduzir o nosso 'eu' de ontem e fazemos isso sem ao menos perceber o quando o nosso ser esta enferrujado. Usando roupas pequenas para o nosso tamanho, com amizades pequenas, aceitando atitudes pequenas, vivendo uma vida pequena e se permitindo ao mínimo e tudo isso por MEDO do novo, mas o novo pode ser a cura. Permita-se!

#Reflitam

Texto do site Casal sem vergonha!


Amar não é pra qualquer um. Amar exige tempo, exige abrir mão, existe dedicação. E nem sempre se quer doar tempo, abrir mão e se dedicar a outra pessoa. Há pessoas que simplesmente não sabem amar – ou não querem amar. Acham amor um fardo muito grande, pesado, sofrido e arriscado demais.

Direito delas.

Daqueles que não amam, há dois tipos. O primeiro deles é aquele que já amou antes. Geralmente, esses são do tipo que se jogaram de cabeça, deram mais do que deveriam dar, colocaram o outro num pedestal. E, fatalmente, se decepcionaram. Porque o amor tem dessas coisas – é preciso estar preparado pra cair. Cair de cara. É como o artista que, depois do auge, tem que estar preparado para despencar. Poucos tem o privilégio de se manterem no topo durante a vida toda – o universo, geralmente não permite. Há que haver espaço para os novos, para os iniciantes, para os cheios de motivação. E aí, é preciso de contentar com os 5 minutos de fama. Ou morrer de dor. Esse tipo dos não amantes aos quais me referia, provavelmente morreram de dor. Amaram demais e não estavam prontos para a queda, não aguentaram sentir o prazer dos cinco minutos de amor e ter que abdicar disso. E, decidiram então, não amar mais.

Há também os que já sacaram que essa coisa de amor não era para o bico deles. Viram, observaram, refletiram. E decidiram fazer outra coisa da vida que não fosse amar. Respeitável. Só que, não querer amar, não implica em não se envolver em relações pessoais. Relações, digo, no sentido original da palavra. Porque, nesse sentido, a partir do momento em que você começa uma conversa com alguém, está se relacionando com a pessoa. Os não amantes dessa categoria, geralmente gostam de se relacionar, mas não querem amar. Param sempre antes desse ponto. E machucam – mesmo que sem intenção. Porque, acredito eu, que a maioria deles não tenha intenção de sair por aí magoando pessoas, mas é que é difícil encontrar pessoas do mesmo time, que querem apenas viver o lado bom dos relacionamentos que vem antes do amor.

Difícil recriminar os que fazem essa escolha. Porque, como disse antes, o amor pesa, machuca, exige, dilacera. E tem um lado bom que da pra viver sem necessariamente amar. Boa companhia, é uma delas – como é bom ter alguém pra acompanhar os momentos bons da vida, afinal, as experiências, quando vividas sozinhas, perdem um pouco da graça. A graça maior está em compartilhar. E, pra isso, não é preciso amor. Sexo é outra coisa. Por que, por mais que confundam, sexo bom não é aquele feito necessariamente com amor – sexo bom, requer intimidade. Até pra dormir de conchinha, não precisa amar. Basta ter um outro corpo, aconchegante, fazendo o encaixe e trocando calor. E tem pessoas que, simplesmente, fizeram essa escolha. Recriminá-los, seria como recriminar aqueles que escolheram não ter filhos ou continuar morando com os pais depois de velho. É uma escolha pessoal.

Se as pessoas não recriminassem tanto os que não querem amar, poderiam obter deles uma relação proveitosa e até feliz, mesmo sem amor. Mas, como não se pode falar que não se quer amar, os que fizeram essa escolha geralmente não se abrem, vão indo nos relacionamentos até que, quando percebem que o amor vem surgindo, somem, desaparecem, inventam qualquer desculpa do tipo estou-indo-pro-Japão-a-trabalho. E colecionam filas de corações quebrados, de lamentações, de questionamentos do tipo o-que-eu-fiz-de-errado. Na verdade, você não fez nada de errado. Apenas, descobriu tarde que as intenções de vocês não batiam. É como o cara que é louco por filhos mas que se envolve com uma mulher que quer ter 10 cachorros invés de pupilos correndo pela casa. Nada de errado, apenas conflito de interesses.

Mas como na vida o livre arbítrio é sempre defendido – mesmo que nem sempre, respeitado – me reservo o direito de dizer que acho que a vida vale muito mais a pena quando existe amor. Amor daqueles quentinhos, de aconchego, de conforto. Sou uma viciada em amor. Amo pessoas que nem conheço. Amo cachorros quando olho dentro daqueles olhinhos. Amo plantas, quando relembro o milagre que elas são. Amo, porque sou viciada nos efeitos que só um amor, daqueles bem profundos, propiciam. Já cai, chorei, morri de dor por amores. Mas, no final, sempre achei que o sofrimento valeu a pena. Obviamente, não no calor da dor – naqueles dias em que se acha que tudo está acabado e quando o próximo sorriso parece ser a coisa mais utópica do mundo. Mas ele sempre vem. E, junto com o retorno do sorriso, vem sempre a vontade de amar de novo – porque, quem sente uma vez, dificilmente consegue largar o vício.
"

Link: http://www.casalsemvergonha.com.br/2011/09/12/ele-nao-sabe-amar/

Era uma vez...


-Oiii,quanto tempo. Como você está? Novidades?
-Oi mulher, estou bem, tô namorando!
-Sério? que ótimo. E o que ele faz da vida?
-Ele me faz rir, me faz ter vontade de ser uma pessoa melhor
e me faz raiva também (risos)!
-Uau que partidão, ele ganha bem?
-Eu tento retribuir as coisas boas e conversar sobre as ruins,
a gente se entende...


O adeus.

Ontem coloquei no meu facebook um texto que escrevi aqui quando meu avô faleceu, nos comentários Camila Leonel colocou um texto lindo que de uma forma poética fala sobre o significado da morte:


(...) E o ancião disse uma coisa linda:
- Imagine que você está à beira do mar e vê um navio partindo. Você o
fica olhando e ele vai se afastando e se afastando cada vez mais, até
que, finalmente, parece apenas um ponto no horizonte, lá onde o mar e o
céu se encontram. E você diz: "Pronto, ele se foi". Foi aonde? Foi a um
lugar, que a sua vista não alcança. Só isso.

E após uma pequena pausa o ancião prosseguiu:
- O navio continua tão grande, tão bonito e tão imponente como era,
quando estava perto de você. A dimensão diminuída está com você, não
nele. E naquele exato momento, em que você está dizendo: "Ele se foi",
na outra margem há outros olhos vendo-o aproximar-se e outras vozes
exclamando com júbilo: "Ele está chegando!"

(autor desconhecido)



É, eu não sei o que vem depois e se algo realmente vem, mas é uma forma linda de acreditar que a pessoa que se foi de alguma forma continua ali, e continua mesmo porque tenho certeza que a nossa alma se junta à natureza para fazer parte desse espetáculo lindo que é a vida!

Mas se é pra falar de amor...

Se for para falar de amor eu sei bem, o amor é a maior e mais linda invenção humana, como diz um professor meu o amor tinha que existir para que as pessoas não se matassem, sem o amor o ser humano já estaria extinto! Como não há uma definição única ou uma única forma de amar nascem os problemas, problemas decorrentes da falta de homogeneidade humana (evento esperado, claro).

Há pessoas que sentem algo diferente e juram que já estão amando, outras que pensam que o amor só acontece uma vez, também tem os que confundem o amor com a paixão, os pessimistas dizem que amor só de mãe enquanto os otimistas são capazes de amar e amar depois de ter tido um grande amor. Tem pessoas que dizem 'eu te amo' com mais facilidade que 'bom dia' ou 'obrigado', outras que amam de verdade mais nunca disseram...

Para mim o amor é algo que prezo muito, busco-o em tudo que faço e tento encontra-lo em todos os cantos pra onde direciono meu olhar! Na verdade, o amor é o que move minha vida e é o que me dá forças para eu continuar minha caminhada por esse mundo que as vezes se mostra tão frio, tão cru!

Mas se for para falar sobre amor preciso dizer o que acho dele. Para mim esse sentimento é algo que se constrói com o tempo, é algo que vai surgindo a partir dos conflitos, das diferenças, da história, do 'abrir mão'. Amar é respeitar, é falar a verdade, é fazer algo só querendo em troca um sorriso verdadeiro, amar é querer e fazer de tudo pra estar junto (mesmo quando isso parece ser loucura), é saber esperar o momento certo para agir, é conhecer a pessoa como se conhece a si mesmo.

Amar é conhecer os defeitos, aceitar os erros, morrer de desejo. Mas amar também é saber quando não se pode mais continuar amando e o amor continua presente quando ele tem morrer, nesse caso quem precisa atuar é o amor próprio (outra forma linda de amor).

Como tudo na vida, alguns amores precisam ter um fim e o mesmo processo que o construiu pode o destruir, afinal de contas tudo que se constrói, desconstrói (talvez mais rápido, talvez leve mais tempo). A ideia que se precisa ter em mente é que sempre há a possibilidade de recomeçar, recomeçar, recomeçar de olhos abertos para não perder de vista o que o amor realmente significa para sua vida!

O amor me move.

Amor, amor, amor.

Tudo em mim tem sido esta vontade de afagar. Há tempos não me ocupo com outra coisa: em tudo que toco ou manuseio há o propósito de cura através do calor das minhas mãos. Tudo em mim tem sido a necessidade de vivenciar profundamente. Se as palavras têm estado ausentes, aceito este recolhimento delas. E espero que voltem com um coração pulsando muito vivo dentro de cada uma. Por isso a vontade de experienciar cada sensação plenamente antes de tentar decifrar organizando em textos o que tenho sentido. Dentro dessa minha desaceleração, tenho descoberto muita coisa como, por exemplo, quão necessário é saber receber amor. Deixar que tudo seja troca antes de ser um troféu. Deixar que o caos se mantenha intacto antes que haja ajustes. Ando muito comprometida com as essências. E com um respeito súbito, a partir daí, pelas aparências. Não vejo menores importâncias, vejo acontecimentos. E tenho olhado pras coisas sem aquela grande gravidade. Tudo em mim tem sido esta disposição para o amor. E, se vocês pudessem me ver agora, veriam, existe carícia até no meu olhar.
— Marla de Queiroz





Porque o AMOR é a coisa mais linda e verdadeira que você pode dar ao outro;
Porque é o AMOR que move o mundo;
Porque é o AMOR que faz as coisas terem sentindo em um mundo tão perdido.
Porque é de AMOR que sou feita e preenchida.
Porque o AMOR que possuo é o meu mais valioso bem.
Porque sou interesseira quando o assusto é o AMOR que a pessoa vai me dar, os abraços que vou receber e os sorrisos que vou compartilhar;
Porque meu lençol é o AMOR, minha roupa é AMOR, minha essência é AMOR;
Só é AMOR que eu quero levar na cara, tropeçar no AMOR, escorregar no AMOR,sangrar AMOR...
AMOR, AMOR, AMOR... AMOR.
Porque só o AMOR vale a pena, a asa, o vôo! ♥