Uma saudade sem a tortura de uma obsessão...

“É uma saudade pós-saudade. Uma saudade sem o peso de uma saudade. Uma saudade sem a tortura de uma obsessão. Uma saudade de detalhes que só vem em sonhos que não me acordam antes das cinco. Uma saudade que não podia sentir quando estava cheio de saudade. Uma saudade que remete ao último gole do meu bourbon em copo de extrato de tomate. Uma saudade de quem aprendeu a conviver com o pôr do sol.”
Gabito Nunes



"As palavras saem quase sem querer..."

As palavras
tão contraditórias são as palavras
às vezes aparecem como armas, outras como forma de acalmar 
a alma.

E padecem caladas
sem ternura, esperam a hora de irem embora,
embora irrisórias são dotadas de razão
e a razão cansou de exigir o seu lugar.
Foi-se.

Quando se encontram dispostas
as palavras não convencem
sempre vazias, são coberta de hipocrisias 
e machucam e ferem e deixam outras palavras
sozinhas.

Tanta raiva se encontra nessas palavras
tanto rancor trancando a dor
tanto grito restrito a palavras 
ocas.

E eu me pergunto:
onde estão as tuas poesias?