"Eu tive que ir embora mesmo querendo ficar..."

Mesmo que eu te ame, que eu te amo muito, eu nunca pude e nunca poderei amar por nós dois. Não poderia tanto assim.

Mesmo que as tuas palavras empalideçam e engavetem o meu coração, não poderei libertá-lo jogando a chave fora, o que posso fazer é deixar a gaveta aberta.

Mesmo que diante de ti as palavas me invadam e eu perca a minha nitidez, prometi tornar tudo preto e branco. Mas eu amo tons de cinza.

 Mesmo que as tuas exclamações me coloquem frente a várias interrogações e me preencham de uma vontade enorme  de escrever vários parágrafos e capítulos, mesmo diante de tanta inspiração, eu ainda assim desejo transformar e empacotar tudo em um ponto final.

Mesmo diante dos teus olhos que ainda hoje refletem quem sou, eu escolho calar, eu cedo tarde o teu lugar. Teus olhos confusos - as vezes ainda - confundem o caminho correto.

E mesmo diante da tua graça e do teu sorriso que ainda fazem eu me sentir em casa, que ainda hoje afagam a minha alma, eu decidi partir. Já está ficando tarde, eu tenho que ir embora...






Nenhum comentário:

Postar um comentário