Palavras são erros e os erros são MEUS

Faz um tempo que venho escrevendo de caneta no meu caderno. Na minha vida também. É porque hoje me parece que o que me faltava era aceitar a certeza da incerteza ou ao contrário! Com isso, eu buscava a solidez de uma forma que as situações líquidas não saciavam a minha sede e eu sofria com os lábios secos por não saber experimentar e viver o que os líquidos escorriam sobre mim... Talvez a insatisfação direcionada por mim a estes líquidos ainda escorra pelo meu rosto, mas hoje solidifico o seu caráter metamorfósico  na minha alma. Hoje escrevo de caneta porque aceito os meus defeitos e meus erros (ou tento assim fazer), escrevo de caneta para aceitar as minhas palavras erradas e letras trocadas, assim fica mais fácil de aceitar quando passo por cima dos meus estados e evaporo, desaparecendo. Escrevo de caneta no papel para deixar registradas as minhas vontades e demandas e para entender quando os papeis referentes à minha vida são trocados tornando, assim, as letras irreconhecíveis.

Não quero o medo do lápis, não quero sua fuga e barulho, não quero apagar quem eu fui ontem ou quem, eu hoje, desejo ser amanhã. Escrevo de caneta porque meus erros e arrependimentos ficam em evidência e mesmo que eu passe corretivo por cima ainda existirá o volume em branco que se destoa do restante da folha do meu caderno, do restante da minha vida. Os lápis deixam vazios mal resolvidos, canetas deixam cicatrizes, prefiro a lembrança da minha falha ao falhar continuamente por ter apagado as minhas fraquezas, por ter apagado quem fui, por ter tentado me apagar e me reescrever sem respeitar as minhas próprias pautas.

Escrevo de caneta porque aprendi que mais importante do que não errar é acertar no respeito direcionado a mim, é aceitar a imagem que me olha no espelho. É! Simplesmente, com tudo que o verbo SER carrega consigo.
Imagem Google

7 comentários:

  1. Inspirador! Parabéns pela fluidez de pensamentos e principalmente pela coragem por expor estes mesmos pensamentos em belíssimas palavras :)

    ResponderExcluir
  2. Tu é demaaaais! Que arraso meu Deus!

    ResponderExcluir
  3. É engraçado lembrar que quando se é criança, educados, temos que usar o lápis, seja ele de cor ou não. Porque caneta é coisa de adulto! Mas a gente quer experimentar o rabiscar mais forte e duradouro, acho que tem uma pitada de curiosidade de si, em saber o que se é e o que se pode ser diante do que ainda "não é seu",pois seu tempo de escrever e perceber o quão lindo e pavoroso se é, ainda não chegou. Mas a gente sabe, a gente cresce com a gente e disso não dá para escapar, mas dá aprender um bocado!

    Okay, tô re-refletindo contigo! rsrsrs
    Tu é linda, minha Mandica! <3

    ResponderExcluir