"Diz a lenda que trocou suas certezas por alguns sonhos mágicos..."

Quando éramos bem pequenininhos nós enxergávamos tudo no tamanho inversamente proporcional ao nosso. Era tudo grande demais. Era tudo longe demais. Era tudo mágico demais. E nós éramos tão pequenininhos... Onde foi que a gente estacionou a nossa magia? Onde foi que a gente se estendeu e se deixou secar por tanto tempo? O sol já passou, a magia não mais pinga, em que varal ficou aquele aval que dizia que a nossa única regra era ser feliz? Eu me lembro bem, a vida, propriamente dita, era só nossa exceção. Sim, nós tínhamos problemas e não eram só aqueles relacionados à nossa boneca ou a nossa pipa que rasgou. Não, não era. Eu e muitos de vocês crescemos tomando partido da briga dos outros, crescemos no meio de gritos e discussões, pais se separando, família aos cacos, mas mesmo assim, eu me lembro, nós nunca perdemos a esperança e era tão fácil acreditar que tudo ia dar certo no final. Você lembra? Éramos bem pequenininhos e a padaria parecia tão distante e as pessoas tão iluminadas. Quem eram teus heróis e heroínas

Eu também me lembro da liberdade que nós tínhamos, pois mesmo que sentíssemos medo e vergonha, tínhamos um estilo próprio. Só é mexer naquele arquivo morto, naquelas fotografias que revelavam só essência. Nossas roupas chegavam no pescoço, nosso cabelo era em homenagem ao nosso animal de estimação e nossos sorrisos denunciavam aquelas lindas cáries. E agora? Só nos sobrou a vergonha e um álbum no facebook preenchido pelo nosso vazio traduzido em fotografias, que evidenciam só a nossa própria face em várias cópias com roupas distintas, às vezes nem isso...  Afinal o que é ser adulto? O que significa ter responsabilidades? A gente cresce e o 'ser' só faz sentido junto ao verbo 'ter'.


Eu me lembro tão bem da primeira vez que uma risada me machucou, eu tinha 12 anos e estava na escola, dois homens foram fazer uma palestra sobre algo que não lembro e um deles me perguntou o que eu queria ser quando crescer, eu falei que iria fazer medicina. Ele riu e com uma voz de deboche disse que eu ia ter que estudar muito... Quantas vezes a gente já não fez isso agora que somos adultos? Quantas vezes não falamos "fulaninha tirou essa nota? Não acredito" ou pior, "nunca imaginei que fulaninho fosse capaz". Nós nos colocamos em uma posição tão superior e achamos que podemos ditar o certo e o errado. Crescer é isso? Isso me torna melhor do que uma criança?
 
Nós éramos espontâneos. Mataram a nossa espontaneidade. Nós éramos livres. Criaram e criamos jaulas invisíveis. Nós éramos gentis. Hoje olhamos para um morador de rua e falamos que ele tem os braços e as pernas e que pode muito bem arrumar um trabalho. Não somos mais capazes de entender que o coração dele pode está despedaçado. Não. Vivemos para ter a maior nota, o melhor elogio, o melhor emprego, queremos a láurea e até argumentamos para sermos vencedores do prêmio que evidencia a pessoa que mais tem problemas. Até nisso queremos ser "os melhores". Mais uma vez eu pergunto, onde foi parar aquele brilho no olhar? 

E eu fico aqui me perguntando: como queremos ser lembrados quando o nosso corpo já não pisar mais nessas terras? porque sim, vamos morrer um dia. O que deixaremos de realmente útil no mundo? Qual o legado que deixaremos para os nossos filhos ou amigos? Quais os motivos que realmente te dariam orgulho ao saber que as pessoas que você ama fecham os olhos e lembram de você? Falando por mim, posso dizer que não quero que sintam orgulho das minhas notas ou títulos, juro que não faço questão disso; não quero que sintam orgulho pelas madrugadas que eu passei estudando, definitivamente quero algo que tenha vida própria. Eu quero é que lembrem do meu sorriso, dos meus dentes escancarados, da minha espontaneidade, na minha fé nas pessoas e no valor imenso que eu dou ao amar e ao amor. Isso sim é um bom legado a se deixar. Por esses motivos eu acredito que vale a pena a nossa breve passagem através dos passos da existência.

Finalizo esse texto com aquela pergunta clichê que faz todo sentido:
"A criança que você foi teria orgulho do adulto que você se tornou?" 


Ilustração Mônica Crema
O que você é enfim?
Onde você tem paixão?
Segue por ai
Eu não sou ninguém demais
E você também não é
É só rodopiar
Em busca do que é belo e vulgar
Tempo de Pipa - Cícero

Obs: Texto realizado para ser lido na festa de encerramento do 7º período da faculdade!

Um comentário: