"Aqui eu também te amei."

Eu estava viajando por esses dias e parei em uma lojinha de artesanato onde a maioria das coisas à venda eram enfeitadas com os objetos da própria família da senhora dona do estabelecimento; todos os porta-retratos, por exemplo, estavam preenchidos com fotos antigas e recentes da família. Uma das fotografias que repousavam na estante, em preto e branco, mostrava a senhora junto ao seu marido, o ano era 1970 e na moldura tinha a frase "Aqui eu também te amei". Achei aquelas palavras tão poéticas quando relacionadas àquele cenário que resolvi usar a frase na legenda desse texto que dedico a você, afinal: aqui eu também te amei. Muito!

Mês passado eu fiquei fora de casa por quase uma semana e quando eu cheguei no domingo à noite a primeira coisa que eu notei foi a tua ausência. Aquilo doeu. Foi tão estranho não ter você ali me esperando depois de algumas doses da tua bebida preferida, foi estranho não poder ter pra mim a tua presença chateada ou aquela tua expressão de saudade. Mas mais estranho ainda foi sentir toda essa estranheza mesmo depois de três anos sem sua voz. Que saudade! Realmente, pude comprovar que a tristeza melhora depois de um tempo, acredito que isso ocorra por estarmos sempre no mesmo local, de uma forma bem ilusória parece que você vai chegar a qualquer momento, porém isso muda quando saímos dessa zona de conforto; me distanciar, voltar e não te ter por perto deu um choque de realidade, sabe? Eu percebi que você tinha ido embora e essas percepções cavam ainda mais aquele vazio que tua partida deixou.

Desde o mês passado voltei a te ver aqui em casa. Coloco minha janta e te imagino comendo na mesa e mexendo a colher do café, acordo e te vejo com o pão doce na mão para eu levar para a faculdade, largo da faculdade e lembro de levar seriguela para você ao passar por um senhor que vende frutas. Acho que esqueci que você habita outro plano, acho que tua presença está tão forte aqui dentro de mim que sou capaz de te chamar em voz alta. No final de tudo percebemos a quantidade de ouro que temos na mão e não sabemos, deixamos a rotina nos cegar e é só quando o ouro se transforma em joia que o seu valor é realmente percebido, queria ter aproveitado mais o teu brilho, mas você foi lapidado sem dizer um adeus suficientemente demorado para que eu entendesse o que significa a tua transformação.

Eu daria tudo que tenho para te ver mais uma vez, para escutar os teus passos arrastados mais uma vez, para levar água para você lá fora mais uma vez, para ficar chateada ao ter que pagar tuas contas mais uma vez, para quebrar o gelo da tua bebida mais uma vez, para te pegar nos bares mais uma vez, para ter que te explicar sobre a internet mais uma vez e dizer que estou acordada de madrugada por conta dos trabalhos da faculdade mais uma vez. Só queria mais uma vez ao teu lado, mas eu sei que eu iria te querer para sempre, porque sempre achamos que os nossos herois são imortais. E são!

Aqui eu também te amei.
Eu te amo muito.
Imagem google

Um comentário: