Querido amigo,

Querido amigo, você já leu o livro As Vantagens de Ser Invisível? pois bem, o moço protagonista da história escreve cartas a um amigo que, acredito eu, ele conhece, mas o menino, supostamente, não sabe quem é o anônimo remetente. Enfim, tenho coisas para te falar no anonimato, mesmo você me conhecendo, ainda e misteriosamente, tão bem. O que acontece, caro amigo, é que às vezes, só às vezes mesmo, sinto a sua falta, mas a diferença é que agora não há a presença daquela dor latejante e rasgada que me vestia outrora, lembra? Pois é, venho trocando de pele há um tempo e isso pode ser algo bom e ruim ao mesmo tempo, como a vida e suas inúmeras contradições bem como você sabe.

Na verdade, do nada hoje eu fiquei imaginando como seria esse mundo sem você, sem o brilho dos teus olhos pequenos ao sorrir, e  simplesmente o mundo não seria, sabe? Pelo menos o meu mundo não seria mais tão mundo assim. Eu aprendi a te ter de longe, aprendi a te querer bem de longe, aprendi a te criticar e a brigar contigo, nem que seja por pensamento, de longe, aprendi a sorrir contigo de longe, mas eu não seria capaz de aprender tão cedo a saber viver sem a sua existência nesse mundo. Sua existência, e toda a incógnita que a acompanha, é necessária demais. Muita gente chama isso de amor genuíno, já ouviu falar? Eu só chamo de amor.

Você pode estar se perguntando neste momento o porque de eu estar pensando na sua suposta morte e não, nem por um segundo quero que a sua vela se apague. Não é isso, é porque muitas vezes me utilizo deste cenário para entender o valor da vida e das pessoas que preenchem ela, e isso não tem nada a ver com ideação suicida nem nada desse tipo. Sabe quando alguém morre e só ai nós percebemos os valores da pessoa, os quais são muito maiores do que qualquer outra coisa? é mais ou menos isso, eu imagino o cenário e imagino tudo que eu deveria ter dito e feito para a pessoa, como ela está viva, eu vou lá e faço tudo que "imaginei". Deve ser esse o motivo de eu estar te escrevendo esta carta.

Hoje eu vi uma pipa presa em uma árvore bem alta. Achei tudo aquilo tão poético e, imagina só, comecei a narrar o que eu via e sentia, como se eu fosse a voz de fundo de algum filme independente, os filmes de baixo orçamento me encantam; na verdade, tenho essa mania de ficar narrando a minha vida, como e ela fosse mágica ou trágica demais para eu vivê-la em primeira pessoa. Estou pensando nisso tudo sobre mim só agora. Nossa!

A vida é frágil, querido amigo, e muitas vezes eu sou a linha que costura e ressignifica os meus próprios remendos. Estou cuidando de você de longe.

(Quase) Sempre com amor,
Amanda
Imagem Google







Eu escolhi ser primavera

Qualquer tentativa de explicação seria rasa e não encheria teus olhos, também rasos, de emoção, muito menos de boas emoções. Só queria te dizer que tudo que eu fiz, todas as minhas fugas e expressões exageradas, foi para me esconder dos teus olhares de reprovação e do teu abraço sem braços, sem toque. Eu arranquei, pouco a pouco, cada folha minha para que você pudesse enxergar as minhas raízes, mas fiquei com frio e precisei correr para longe do teu vento malicioso. Sim, me despi, fiquei completamente nua ao tentar alguma aprovação tua, mas minhas raízes eram tão finas que o teu fruto venenoso nem se quer abriu espaço para as minhas plantas florescerem, você negou amor às minhas tímidas sementes, sementes essas que você, mesmo sem uma real intenção, plantou. Qual a culpa das minhas pétalas por querer o seu amor? Você não só se negou a me regar, como também riu das minhas folhas amareladas e hoje, no meio dessa floresta densa que me constitui, continuo rasgando e violentando cada folha minha. Até hoje, acredite, não aprendi a ser árvore diante deste sertão que é a vida. Na verdade, eu só queria mesmo que você entendesse que a importância da existência de uma árvore não se dá só pela aparência ou presença de folhas, é na raiz, meu querido cravo, que a força da vida adormece. A raiz permanece se ramificando quando há paredes em torno dela, ela se expande e se apropria do asfalto opressor; a raiz se mantém firme frente ao vento ou a chuva e a brisa, sutilmente, faz essas mesmas folhas rasgadas dançarem. Há música e amor nessas folhas amareladas e quando o meu caule se encontra nu as raízes continuam me sustentando viva à espera de uma nova primavera, porque sim, eu escolhi ser primavera independente dessa tempestade que é você.

Imagem: arquivo pessoal de Pérola Holder


"Aprendi com a primavera a deixar-me cortar 
e voltar sempre inteira." Cecília Meireles