A importância de se abandonar

"Se abandona e deixa que a música preencha seu corpo". Escutei essa frase há algum tempo e ela me fez refletir. Como se abandonar se escuto tanto sobre a importância do encontro consigo? Pensei. E depois de muito refletir cheguei a uma conclusão sobre o significado da frase. Não, não é hipocrisia. Não dessa vez. O que temos que abandonar é a parte pronta da pessoa que nós somos: nossas palavras prontas, nossa postura, que de tão pronta, já aderiu a nossa forma ou até mesmo nos formou; temos que abandonar esse amor pronto e embalado direcionado ou outro e até a nós mesmos; abandonar essa necessidade de ter tudo sobre controle e acabar perdendo o controle do nosso próprio querer; abandonar essa capacidade inóspita de sermos máquinas do tempo, máquinas que nos tornam incapazes de estar no aqui e agora, máquinas que revertem o valor das coisas e coloca preço nas pessoas, o preço do tempo, o preço do amor. "Difícil é fazer o simples", já dizia o homem gentil. 

Imagem Google
Enfim, se abandone, pois reclamar do ônibus que passou não vai fazer ele voltar. Abandone-se, mulher, que reviver o passado acrescentando "e se" não vai modificar o que aconteceu. Abandona essa mania de querer tantas explicações, pois as interrogações já passaram da validade e não esquece de abandonar também esse orgulho e egoísmo que  ainda te veste na hora da dança, certo? Se abandona, porque às vezes o encontro acontece quando a música transcende e você saí de si, você se encontra consigo quando os teus passos já não te levam aos mesmos lugares e as tuas roupas já não te vestem mais, fica tudo pequeno por dentro, tudo grita por espaço. Nesse momento, neste curto e infinito momento, só te resta o vazio e todas as possibilidades de ser que cabem dentro dele. Então se joga e aumenta o volume, porque a música ainda está tocando e preenchendo esse lugar que não suporta paredes e limites e que, ao mesmo tempo, forma o teu continente e tua fortaleza.

Foto Página da ilustradora Mônica Crema

Nenhum comentário:

Postar um comentário